sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Os meios justificam o fim? Depende se é o PT que os usa!


 
Não vou aqui discutir se a colocação do Fernando Henrique foi ou não foi politicamente correta. O que vou aqui afirmar é que burro é quem entende que ignorância seja sinônimo de burrice. Se não é burro sabe que não é, no máximo não quer que os outros saibam, e isso não é sinal de inteligência e sim de “espertice”.
Vou também aqui afirmar que os pobres no Brasil, e não falo dos que um dia foram pobres e que através do que deu certo nos governos do PSDB e do PT passaram a ser classe média, têm sim muito menos acesso a informações que as classes sociais mais privilegiadas economicamente. Como também vou aqui afirmar que quem tem pouca informação não poderá ter uma eficácia na interpretação delas. Afinal como interpretar e entender um conjunto de dados para que possa concluir algo se não tem essas informações para as interpretar? Se eu tiver um dado, eu poderei tentar interpretar e concluir sobre aquele dado. Se eu tiver dois dados, muito possivelmente eu vá ter outras interpretações ao fazer correlações e cruzamento de informações. Não se precisa nem ser inteligente para se concluir isso.

O PT, além da sua passividade em relação à corrupção instalada, mantem de forma exagerada interpretações forçadas para assim induzir o seu potencial eleitorado a concluir em cima de falsos critérios e buscando passar o “mata borrão” sobre as manchas de tinta roxa para ir disfarçando e negando crimes praticados por uma parte considerável dos seus partidários, como esconder outras ineficiências no seu formato de gestão.
Tem gente do PT julgada e presa por serem condenadas por atos de corrupção mas o discurso é de que é tudo mentira! Que tudo isso só acontece nos períodos de campanha. Parece até que o PT está em constante campanha.

Agora anda gente vomitando um monte de informações que veem vindo à tona através de uma investigação da Policia Federal, que inclusive dizem ser eles que veem incentivando para que tal investigação seja feita com toda a autonomia que dão a este órgão, o que é outra mentira do PT, pois tal autonomia quem dá é a nossa legislação e constituição e não um partido político ou mesmo a Presidente da República. Pelo menos enquanto vivermos um estado democrático de direito. Mas tudo o que estão delatando, em nome da transparência PTista, é mentira mesmo ao se perceber coerência entre as informações dos dois presos que negociaram a delação premiada.

A Dilma se diz horrorizada pelas divulgações de depoimentos dos dois acusados de participarem de uma quadrilha montada na PETROBRAS,  mas não comenta absolutamente nada sobre o conteúdo destes depoimentos.
Em novo ataque ao PSDB, Dilma fez a seguinte colocação: "Eles destilam ódio. Eles destilam mentiras. Nós temos que responder com a verdade e a esperança". Imagina se eles, PSDB, como também disseram do PSB e da Marina, desfilam ódio e mentiras, o que é que o PT vem desfilando nestes últimos anos, especialmente no perfil de campanha que o seu marqueteiro desenhou para desqualificar os seus adversários nestas eleições? Mas, claro, o Lula já disse que em campanha presidencial tudo vale. Só esqueceu de dizer que isso vale só para cima dos outros, pois o PT e os seus líderes estão em cima de um pedestal onde a crítica não pode chegar, onde é DEUS no céu e o PT na terra, e para isso não há que avaliar os meios usados por eles pois justificarão o fim... que medo tenho deste fim!

domingo, 21 de setembro de 2014

O que os números das doações falam sobre apoios às campanhas de 2014?

Um dos grandes argumentos do PT amedrontado com o desempenho da Marina Silva nesta campanha é o teórico apoio de instituições financeiras à candidata que um dia já foi ministra do Presidente Lula.
Isso porque uma das coordenadoras de campanha do PSB é a herdeira do patrono do Banco Itaú. Digo educadora porque quando participou na formação do programa do governo do então candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, era assim que Neca Setúbal era tratada pelo PT. Agora é tratada por banqueira.
Mas fico refletindo cá com os meus botões o que o PT, se fosse o transparente necessário, teria a dizer sobre a estrutura paralela de instituições financeiras piratas que os seus partidários vêm usando para usurparem os cofres públicos em nome de apoios à caminhada e governabilidade do país. 


Estruturas organizadas em empresas estatais como os casos que vimos vendo nos últimos tempos na Petrobrás, para não falarmos do já cansado mensalão.  Instituições piratas coordenadas por doleiros com organizações de redes de corrupção institucionalizadas e defendidas por muitos como algo até aceitável para atingirem os ideais políticos do partido... e de punho em riste como se festejassem uma vitória ou que bradassem por uma luta pela vitória.
As instituições financeiras privadas, perto destas redes piratas, são santas!
Depois os meus botões também lembram-me que o tamanho das doações para as campanhas já ultrapassam um bilhão de Reais e que mais da metade foram doações de empresas privadas onde entre as maiores estão instituições financeiras e grandes empreiteiras e até empresas ligadas ao agronegócio. Adivinhem para quem foi a maior parte destas doações? Preciso mesmo dizer que os candidatos do PT foram os maiores beneficiados? Com quem estão as elites, PT? Ou estarão estes empresários enquadrados no estado de espírito dos pobres?
Dizem que em campanha eleitoral vale tudo, menos tirar os olhos. Assim os eleitores é que têm que ter a capacidade de filtrar o que ouvimos dos candidatos e dos que falam por eles. Com essa capacidade de bem filtrar é que se fazem bons eleitores, independente das suas próprias convicções.


sábado, 20 de setembro de 2014

PT(istas) X Classe Média



O PT depois que atingiu o Governo Federal vem se lambuzando como um novo rico. E o engraçado é que tem a nova classe média como inimigo número um. Isso deve ser um problema para o seu programa contra a pobreza, pois transformar a classe baixa em classe média parece ser contra prudente para as suas convicções.

Quer dizer, eles, do PT, veem a classe média como o problema do mundo. Devem ser todos bilionários ou muito pobres. Tipo política dos extremos...


Chavões do PT em relação à classe média:

“Classe média é contra a bolsa família!”

“Classe média é contra as ciclovias em São Paulo!”

“A classe média é reacionária!”

“A classe média é fascista!”

“Classe média não gosta do PT porque...”


Chega-se ao cúmulo de ouvir do Lula a seguinte colocação, referindo-se aos resultados dos governos do PT:

"Oferecemos crédito para a população e graças a isto hoje o pobre ganha mais do que a classe média".

O medo da classe média é tanto que preferem acreditar que os pobres são menos pobres que a classe média, mas jamais classe média, muito menos classe média alta.
Ou seja, hoje para o PT classes sociais não são mais definidas por estatísticas econômicas e sim por estados de espírito, e para ser pobre baixa ser PT.


domingo, 7 de setembro de 2014

Eutanásia

Fonte da foto: GENIZAH
Artigo de António Maria G. Lemos

Depois de ter relido a crônica “Eutanásia” que o meu falecido pai escreveu em 1962 no jornal Tribuna de Moçambique, percebi que a Eutanásia continua sendo um tema muito controverso. Debatido muito emotivamente e até manipulado religiosamente.
 Visto que não sei as condições em que a tal mãe teve que tomar (certamente) tão dolorosa decisão. Não me aprofundarei ao caso específico da crônica dele.
Uma coisa é certa, para ele abordar esse tema, é porque pelos vistos mexeu com ele, e com os códigos éticos e morais da sociedade da época.
 Do ponto visto geral, sobre  a eutanásia eu hoje  lhe diria; Concordo com o direito à vida, e que nenhum ser Humano tem o direito de condenar à morte outro ser Humano.
Por isso sou contra a pena de morte.
No entanto não considero a eutanásia como um suicídio, ou como uma pena de morte.
 Na pena de morte julga-se uma pessoa à morte por diversos motivos, ligados ao julgado, e aos julgadores. E o “crime” ditado pelos julgadores pode ser por motivos militares, religiosos, políticos, etc E mesmo em estados democráticos, onde a lei se diz neutra e pragmática. A verdade da realidade é que a justiça sempre balança de acordo com o dinheiro que se tem para se defender. Nesses países as estatísticas provam que a maioria dos acusados à pena de morte vêm das camadas mais pobres da sociedade. Exatamente as que tiveram menos chances na vida desde que nasceram, e que não têm dinheiro para pagar bons advogados. E as inúmeras pessoas que foram julgadas inocentemente por essa Justiça, não voltam mais para reclamar o seu direito à vida.
Se reconheço a Vida como direito Humano, por mais hediondo que seja o criminoso não tenho o direito de cometer com ele, o mesmo crime que abomino.
 O suicídio está na sua maioria mais ligado a um momento de desespero.
Muitas vezes consequência de um sofrimento movido por desequilíbrio psíquico momentâneo, ou de longa duração. Só quem sofre tal angústia deve saber que sofrimento é esse, que nós só teoricamente sabemos explicar, mas esperamos nunca vir a conhecer.
Para uns deve ser um “cansar de viver”. E para outros pode ser a fuga a uma nova realidade de vida, que de repente são confrontados e que não creem ser capazes de a encarar.  Há também os que suicidam por covardia. Para não terem que assumir junto á sociedade, a responsabilidade por seus crimes ou males causados.
 Já a eutanásia está sempre ligada a resultados científicos que hoje em dia, com uma grande precisão, dizem o que se pode esperar da qualidade de vida que está para começar, ou da que nos resta.
Quando se chega ao ponto de se ter que decidir pela eutanásia pessoal, ou a assumir para uma outra pessoa que se ama, é porque já se percorreu um longo caminho doloroso. É uma decisão influenciada por muitos altos e baixos, sofrimentos e esperanças, onde a eutanásia resta como a solução “menos pior”.
Ou seja, a decisão pessoal ou não, acontece depois de pensada e se ser confrontada por diagnósticos de especialistas, e opiniões a favor e contra de amigos e familiares.   É uma decisão que não dá prazer a quem  a tem que tomar por outros, mas pode ser o grande alívio de quem está sofrendo, ou irá sofrer uma vida inteira.
 O direito á vida implica para mim, em se poder realmente viver.
Seja como “normal” ou como “excepcional”, palavras que não gosto de usar. E que a cada década são trocadas por outras da ética social da época, e que provavelmente também não gostarei no futuro.
Portanto digo “realmente viver”. Cada um á sua maneira e limitações, mas Viver.
Quando o risco é de se estar “condenado” simplesmente a uma “sobrevida” uma vida inteira. Então aí, estão para mim muitos outros fatores em jogo. Qual a doença, qual o tipo de sobrevida em questão, e a pessoa envolvida.
Se penso em certas situações de sobrevida, que pudessem vir a envolver amigos e familiares, espero eu, nunca ter que decidir por eles. Mas sei que não gostaria de ver uma pessoa que amo, sobrevivendo contra a vontade dele, o resto da vida.
 E como sei que se eu um dia não estivesse mais em condição de decidir sobre a minha “sobrevida”, na minha família provavelmente ninguém conseguiria tomar essa decisão por mim. Aproveitei que na Suíça a eutanásia é legal, e já aliviei todos de tal decisão. Deixei essa situação, que espero nunca vir a acontece, bem detalhada e descrita em documento devidamente assinado  por mim, e três amigos meus como testemunhas.  O mínimo de testemunhas necessárias para assinarem esse documento legal suíço, que lhes dará direito de assinarem a eutanásia por mim.  (Dentro das condições por mim descritas no documento.)
Esse documento legal arquivado na Cruz Vermelha Internacional,  poderá ser solicitado em qualquer país. Reconhecido como a vontade de um Humano que a assinou em tempos de saúde e lucidez. E desautoriza qualquer pessoa, seja médico ou da família, a decidir o contrário.  Direito de decisão à vida e morte pessoal, a ser respeitado.
 Estando eu lúcido o suficiente para decidir, penso que também terei a coragem de o fazer. Visto que uma sobrevida amarrado a uma cama ou vir só a “vegetar”, não quero viver.
 Eu não sendo religioso, acredito e respeito a Vida Humana neste planeta.
 Com direito a decidir o fim.

sábado, 21 de junho de 2014

Praça Afonso Pena na Copa em Curitiba



A Praça Afonso Botelho, em Curitiba, foi provisoriamente desapropriada da população curitibana para ser usada como espaço externo à Arena para atender a recepção do público e imprensa nos jogos da Copa que por aqui se realizam.
Interessante o quadro dos investimentos que vemos no painel. Relacionam como obras, os seguintes itens:
  • Instalação do canteiro (canteiro de obras da reforma do estádio)
  • Drenagem de Água Pluviais
  • Galeria técnica hidráulica /elétrica / T.I.
  • Pavimentação das vias internas.
  • Execução de piso provisório em blocos de concreto.
  • Iluminação

  1. Infraestrutura – R$ 1.511.915,59
  2. Iluminação Pública – R$ 267.000,00
  3. Instalações Complementares – R$ 4.000.000,00.

Me chamou atenção a seriedade destes números, ao ponto de serem transparentes até nos 59 centavos incluídos nos gastos com as obras de infraestrutura relacionadas na tabela. Mas achei estranho é a falta de clareza nos  4 milhões vinculados ao que chamam de Instalações complementares. A que se devem referir estes custos complementares que são o dobro dos custos das obras, aparentemente principais, que foram as de infraestrutura e  iluminação pública?
Me deu um nó!
Mas vamos esperar pela revitalização da Praça, como comprometido... não sei bem quem se comprometeu, mas alguém foi. Está lá no painel... embora para esta revitalização não sejam apresentados quais os custos para a mesma. Se calhar são as tais Instalações complementares... ou vem aí, de novo, um número de cifrões ainda maior? E de quem será a conta?
De qualquer forma, vamos reforçar aqui o checklist dos compromissos com os usuários da Praça Afonso Botelho:
  • Piso que compõe concreto com petit pavê, garantindo acessibilidade e preservando a memória da praça.
  • Nova pista de skate.
  • Playground com área de estar.
  • Nova pista de caminhada.
  • Decks de madeira para serem utilizados como área de permanência ou atividades diversas.
  • Edificação de aproximadamente 1.100 m2 que abrigará sanitários públicos, sala de ginástica, vestiários e escritório administrativo.
  • Quadra poliesportiva em concreto.
  • Quadra de futebol de areia.
  • Quadras de vôlei de praia.
  • Academia ao ar livre.
  • Espaço multiuso na concha acústica.
  • Permanência do módulo policial existente.

Vamos acompanhar tentando conhecer o custo também complementar com esta revitalização, o cronograma da mesma, como depois comprovar a qualidade das obras. Neste último tópico, que venha a ser superior ao padrão FIFA das obras que vimos até então. A impressão que tenho é que quando caírem umas chuvas o resultado será similar ao de uma maquiagem sobre um rosto suado.

terça-feira, 13 de maio de 2014

Torcer pela Seleção...


Esta é a capa que venho usando nos últimos dias no meu Facebook. Pretendo mantê-la por um bom período, inclusive após o término do evento.
Sou um torcedor do futebol brasileiro, e não deixarei de torcer pela Seleção Canarinha. No entanto, sou um grande torcedor para que as incompetências na organização sejam claramente identificadas, independente dos motivos das mesmas. Seja porque se colocou gente desqualificada para gerir a organização de um evento deste porte, seja porque tivemos gente desonesta e aproveitadora desviando verbas para proveito próprio.
Os próprios jogadores selecionados, e comissão técnica, deveriam comprar esta bandeira. Se torcemos pelo sucesso destes, estes deveriam torcer pelo esclarecimento de tanta bandalheira estruturada em cima da competência esportiva deste grupo, trazendo prejuízos enormes para o país e população que os projeta neste milionário negócio que virou o futebol mundial.
Que venha o hexa e a *CPI com apoio dos integrantes da Seleção!


E que o Brasil dê um show na recepção aos turistas que por aqui pousarem. Se não através da infraestrutura que deveria ser esperada, que seja na simpatia e apoio ao turista.


*CPI - Comissão Parlamentar de Inquérito

sábado, 3 de maio de 2014

Em quem apostar para as próximas eleições presidenciais brasileiras?

Novo jargão das lideranças do PT, incluindo nelas o Lula e a Dilma:



“Não é possível agente aceitar gratuitamente que a elite brasileira tente destruir a imagem da empresa que durante tantos anos é motivo de orgulho do nosso povo, que é a Petrobrás.”

A habilidade de tentar envolver emocionalmente o povo brasileiro do Lula é imensa e está fazendo escola. Não vi até então ninguém atacar ou deixar de ter orgulho pelo o que a Petrobrás representa para o Brasil. O que venho vendo é atacarem os gestores dos últimos anos desta imensa empresa, que se não fosse tão sólida já haveria ter quebrado economicamente. Se a própria Presidente Dilma já assumiu em discurso que na negociata da Refinaria de Pasadena houve grandes prejuízos, a quem devemos questionar? Quem já foi apresentado, pela administração federal, como sendo os responsáveis por tal buraco criado nas contas desta orgulhosamente brasileira Petrobrás?

Não adianta o Lula, ao discursar no Encontro Nacional do PT, dizer que “se alguém, entre nós, cometer um erro, tem que ser punido.” Não adianta ficar no discurso. Há que mostrar por ações, e não só quando estamos em vésperas de campanha presidenciais, temendo os efeitos aceleradores da queda da Dilma nas pesquisas, jogarem aos leões o deputado federal do PT, sr. André Vargas, pelas evidentes ligações com o doleiro Alberto Youssef. 

Não adianta quererem criar a imagem do Presidente do STF, Joaquim Barbosa, como sendo o inimigo número um do país, quando este não foi o único a julgar o Mensalão, nem mesmo a definir sozinho as penas dos julgados e considerados culpados pela maioria dos juízes que compõem o colegiado do STF. Não adianta responsabilizar este por possíveis consequências trágicas em relação ao estado de saúde do Genoíno, se quem o avaliou foi uma junta médica que fez um laudo onde diz que a sua doença está estabilizada e sem risco de vida eminente. Ele, Barbosa, em cima do laudo apenas fez valer a lei e como tal o Genoíno teve que voltar à prisão no regime semiaberto. Se alguém deve ser responsabilizado, se vier acontecer o pior, não é o Barbosa, mas sim a junta medica que emitiu o laudo. O Barbosa só fez o seu papel, que é de fazer cumprir a pena. Não se trata de um novo julgamento.

Estive ouvindo alguns dos discursos deste encontro Nacional do PT, e em alguns momentos me emocionei por reviver um PT da década de 80. Porém, acabaram por me reforçar, algumas das passagens dos discursos, incluindo parte dos do Lula e da Dilma, como o PT está frágil. Como está o PT na defensiva!!! 

E quando se discursa na defensiva, argumentos de cristal são sonorizados. Não são apenas argumentos vazios. São argumentos incongruentes, incompatíveis com o que muito vimos vendo nestes últimos anos. Tipo faça o que eu digo, não faça o que eu faço.

O Lula ataca a elite, sem deixar claro quem é ela. Não haverão de ser, por exemplo, os grandes empresários que pagam altos valores pelas suas palestras. Não deverão ser os gestores da Petrobrás, que não são com certeza operários das fábricas que ele diz nunca ter ouvido falar terem tido labirintite. Que labirintite é coisa de classe média, diz ele como forma figurativa para dizer que é a essa classe a quem pertence, referindo-se ao internamento porque passou a semana passada em consequência de uma crise... Estou para saber quem da classe média brasileira é internado no Hospital Sírio Libanês por causa de uma crise de labirintite. 

Não seria correto da minha parte dizer que não gostei nada do que ouvi, e que não tenha concordado com algumas das afirmações, como os resultados efetivos dos programas sociais, como o nível de emprego nunca visto nas últimas décadas. Gostei especialmente de uma passagem pela humildade no discurso do Lula, quando assume que esta campanha não será fácil para o PT. Que fala na necessidade de retrabalhar a imagem do Partido, que fala de se construir uma nova utopia para o jovem brasileiro. Agora precisamos aguardar quais as efetivas ações que o PT, com a participação direta do Lula, terá para buscarmos um novo sonho, para se batalhar por um novo PT, um PT mais próximo do que foi na década de 80.

Eu tenho decidido. Não ser a minha torcida que isto venha a ser testado e avaliado com mais um mandato do PT na presidência. A relação de nomes para quem eu não vou torcer para estas eleições já a tenho feita, e dentro dela está qualquer candidato deste PT frágil e na defensiva.

Agora me falta uma outra difícil tarefa; a de concluir quem será o meu candidato, já que dois nomes que me conquistariam não aparecem nesta lista.


_______________________
Abaixo o acesso ao link do vídeo do Encontro Nacional do PT realizado em São Paulo neste último dia 02 de Maio de 2014: